A história de Blondie, o pequeno pássaro que ficou sem penas, mas não sem amor…

Quando um pequeno periquito chamado Blondie veio morar com a família Escobar na Venezuela, seu nome parecia perfeitamente adequado. Coberto de penas amarelas brilhantes, o pássaro curioso iluminava todos os aposentos em que ele entrava.

Mas conforme Blondie crescia, sua plumagem começou a cair em tufos. Sua família não conseguia descobrir por que um passarinho tão feliz estava lentamente ficando careca.

“Ele não estava voando como de costume, levando-o a cair muito”, Isabella Escobar, irmã de Blondie, disse. “Eu achei estranho, mas meus pais disseram que ele estava passando por uma fase.”

Quando as penas de Blondie começaram a cair, além das patinhas e asas para a cabeça, a família Escobar decidiu que era hora de visitar um veterinário. O médico descartou a muda, dieta e possíveis infecções de pele, concluindo que Blondie estava arrancando suas próprias penas.

“O médico nos disse que estava estressado e é por isso que ele estava perdendo muitas penas, mas minha mãe e eu não acreditávamos”, disse Escobar. “Ele estava perdendo penas na cabeça e é impossível para um pássaro tirar penas de sua própria cabeça.”

A família de Blondie queria ajudá-lo, mas eles não tinham certeza de como. Então, um dia, Escobar estava percorrendo o Instagram e avistou um pássaro que poderia ter sido o irmão gêmeo de Blondie: Rhea o pássaro nu“.

Rhea havia perdido suas penas devido ao psitacídeo do bico e da pena (PBFD), um vírus que pode levar à perda permanente de penas, um bico enorme e um sistema imunológico fraco.

View this post on Instagram

Aloha friends!

A post shared by Rhea The Naked Birdie† (@rhea_thenakedbirdie) on

Mesmo vivendo do outro lado do mundo, Rhea ajudava a família Escobar a entenderem que Blondie não estava sozinha. Ela também forneceu uma visão muito necessária sobre como cuidar de seu pássaro com necessidades especiais e deixá-lo confortável.

“Nós lemos todos os artigos que pudemos encontrar sobre a doença na internet, porque nenhum dos veterinários sabia sobre a doença e não sabia como tratar Blondie”, disse Escobar. “Graças a Rhea, tivemos uma ideia de como cuidar adequadamente dele. Como sua pele fica muito ressecada, usamos óleo de coco ou vaselina para hidratá-la, e lhe damos muitas vitaminas em sua comida”.

Assistir Blondie perder sua habilidade de voar era especialmente difícil para a família. Mas eles trabalharam para dar ao pássaro curioso muitas maneiras de se entreter. “Eu sinto que a pior coisa que um pássaro pode passar é perder suas penas e não perceber“, disse Escobar. “Foi uma das coisas mais comoventes que tive que ver. Então eu tentei entreter Blondie mostrando a ele brinquedos e outros lugares ao redor da casa que ele poderia ir sem usar suas asas e ele os amava totalmente”.

Veja o pequenino Blondie nesse vídeo publicado no Instagram:

Blondie ocasionalmente fica frio, mesmo em um clima mais quente, mas ao contrário de Rhea, ele se recusa a usar roupas. Depois de algumas tentativas e erros, sua família encontrou a solução para mantê-lo aquecido. Agora, sempre que o passarinho está pronto para uma soneca, ele se aconchega dentro de um de seus brinquedos de pelúcia especiais.

Agora com mais de 3 anos de idade, Blondie se acostumou a não ter a mesma mobilidade que tinha antes. Ele gosta de estar na cozinha enquanto sua mãe cozinha, ou se sentar com sua irmã enquanto ela faz o dever de casa. Sua família está usando sua presença na mídia social para espalhar a palavra sobre o PBFD, assim como Rhea salvou Blondie.

“Para nós, Blondie é uma guerreira que sempre ilumina nosso dia toda vez que o vemos”, disse Escobar. “Ele nos mostrou que você deve amar com todo o seu coração todos os animais, não importa a sua aparência”.

Esse pequenino tem muita sorte por ter essa família que o ama tanto, não acham???

Traduzido e adaptado por: Eu amo os animais

Fonte: thedodo