A história de Blondie, o pequeno pássaro que ficou sem penas, mas não sem amor…

Quando um pequeno periquito chamado Blondie veio morar com a família Escobar na Venezuela, seu nome parecia perfeitamente adequado. Coberto de penas amarelas brilhantes, o pássaro curioso iluminava todos os aposentos em que ele entrava.

Mas conforme Blondie crescia, sua plumagem começou a cair em tufos. Sua família não conseguia descobrir por que um passarinho tão feliz estava lentamente ficando careca.

“Ele não estava voando como de costume, levando-o a cair muito”, Isabella Escobar, irmã de Blondie, disse. “Eu achei estranho, mas meus pais disseram que ele estava passando por uma fase.”

Quando as penas de Blondie começaram a cair, além das patinhas e asas para a cabeça, a família Escobar decidiu que era hora de visitar um veterinário. O médico descartou a muda, dieta e possíveis infecções de pele, concluindo que Blondie estava arrancando suas próprias penas.

“O médico nos disse que estava estressado e é por isso que ele estava perdendo muitas penas, mas minha mãe e eu não acreditávamos”, disse Escobar. “Ele estava perdendo penas na cabeça e é impossível para um pássaro tirar penas de sua própria cabeça.”

A família de Blondie queria ajudá-lo, mas eles não tinham certeza de como. Então, um dia, Escobar estava percorrendo o Instagram e avistou um pássaro que poderia ter sido o irmão gêmeo de Blondie: Rhea o pássaro nu“.

Rhea havia perdido suas penas devido ao psitacídeo do bico e da pena (PBFD), um vírus que pode levar à perda permanente de penas, um bico enorme e um sistema imunológico fraco.

View this post on Instagram

Aloha friends!

A post shared by Rhea The Naked Birdie† (@rhea_thenakedbirdie) on

Mesmo vivendo do outro lado do mundo, Rhea ajudava a família Escobar a entenderem que Blondie não estava sozinha. Ela também forneceu uma visão muito necessária sobre como cuidar de seu pássaro com necessidades especiais e deixá-lo confortável.

“Nós lemos todos os artigos que pudemos encontrar sobre a doença na internet, porque nenhum dos veterinários sabia sobre a doença e não sabia como tratar Blondie”, disse Escobar. “Graças a Rhea, tivemos uma ideia de como cuidar adequadamente dele. Como sua pele fica muito ressecada, usamos óleo de coco ou vaselina para hidratá-la, e lhe damos muitas vitaminas em sua comida”.

Assistir Blondie perder sua habilidade de voar era especialmente difícil para a família. Mas eles trabalharam para dar ao pássaro curioso muitas maneiras de se entreter. “Eu sinto que a pior coisa que um pássaro pode passar é perder suas penas e não perceber“, disse Escobar. “Foi uma das coisas mais comoventes que tive que ver. Então eu tentei entreter Blondie mostrando a ele brinquedos e outros lugares ao redor da casa que ele poderia ir sem usar suas asas e ele os amava totalmente”.

Veja o pequenino Blondie nesse vídeo publicado no Instagram:

Blondie ocasionalmente fica frio, mesmo em um clima mais quente, mas ao contrário de Rhea, ele se recusa a usar roupas. Depois de algumas tentativas e erros, sua família encontrou a solução para mantê-lo aquecido. Agora, sempre que o passarinho está pronto para uma soneca, ele se aconchega dentro de um de seus brinquedos de pelúcia especiais.

Agora com mais de 3 anos de idade, Blondie se acostumou a não ter a mesma mobilidade que tinha antes. Ele gosta de estar na cozinha enquanto sua mãe cozinha, ou se sentar com sua irmã enquanto ela faz o dever de casa. Sua família está usando sua presença na mídia social para espalhar a palavra sobre o PBFD, assim como Rhea salvou Blondie.

“Para nós, Blondie é uma guerreira que sempre ilumina nosso dia toda vez que o vemos”, disse Escobar. “Ele nos mostrou que você deve amar com todo o seu coração todos os animais, não importa a sua aparência”.

Esse pequenino tem muita sorte por ter essa família que o ama tanto, não acham???

Traduzido e adaptado por: Eu amo os animais

Fonte: thedodo

Cavalo emociona ao dar último adeus ao seu melhor amigo humano

Wagner Figueiredo de Lima, 34 anos, e Sereno, seu fiel amigo, um cavalo, eram inseparáveis! Até que um dia, fatalmente, o jovem  Wagner teve um acidente, no qual ficou gravemente ferido e, infelizmente, não sobreviveu.

Eles moravam na Paraíba, e todos lamentavam a morte do jovem, inclusive seu amado cavalo.

Família e amigos se reuniram para se despedir do jovem no funeral e, Wando, o irmão de Wagner, sabendo do amor que Sereno sentia pelo seu dono, achou que o cavalo também gostaria de estar naquele momento importante.

Mas ninguém podia imaginar o que aconteceria quando o cavalo chegasse.

Quando o carro que levava Wagner chegou, Sereno se aproximou dele, como se realmente soubesse que era o último adeus a seu amigo humano. Ele começou a cheirar e circundar o veículo até que ele começou a relinchar, deixando todos impressionados.

Todos aqueles que testemunharam a cena ficaram comovidos com a reação do cavalo naquele momento.

Então ele recostou-se no caixão e se esfregou. Todos estavam convencidos de que ele estava triste porque sabia que não veria mais Wagner.

Sereno se juntou ao grupo de pessoas e caminhou juntos até o cemitério para se despedir dele. Durante toda a jornada, o cavalo relinchou sem parar.

Veja no vídeo, o momento em que o cavalo emocionou a todos:

Estava claro que Sereno estava sofrendo com a perda de seu amado humano…

Felizmente, Sereno não terá que lidar apenas com a dor. Wando cuidou dele e fez dele parte de sua família. Sereno continuará a viver em uma casa cheia de amor com um mestre que cuida dele, o ama e o protege.

Alguma vez você já se perguntou se os cavalos tem sentimentos?

Ao contrário dos seres humanos, os cavalos não sentem dificuldade em expressar suas emoções.

Uma nova pesquisa revela que a capacidade dos cavalos de entender os humanos é ainda maior do que se conhecia e, em alguns pontos, comparável apenas a dos cachorros.

O estudo da Universidade de Sussex em conjunto com a Universidade de Portsmouth, ambas no Reino Unido, mostrou que além de reconhecer rostos humanos, lendo suas emoções (como só os cães fazem), os cavalos guardam na memória os humores dessas pessoas.

Os cavalos têm percepção da nossa linguagem verbal e não verbal e utilizam gestos, olhares, sons e comportamentos como resposta. Se procurarmos entender o que expressam através de certas vocalizações e atitudes, conseguiremos estreitar o relacionamento e criar excelentes vínculos com eles.

Aposta-se que eles galopam sobre a Terra há cerca de 50 milhões de anos. Até hoje, porém, os cavalos são vistos por muita gente apenas como animais de competição ou como peças-chaves na rotina das fazendas. Apesar do grande porte, no entanto, podem ser criaturas dóceis que, a partir do convívio com o homem, desenvolvem algumas características que contribuem para o bem-estar e a qualidade de vida de quem tem contato com eles.

Estudos comprovam que, assim como os humanos, os cavalos utilizam músculos do nariz, dos olhos e dos lábios para alterar suas expressões faciais diante de diferentes situações. Além disso, por serem animais sensitivos, captam com facilidade as emoções de quem dita seus movimentos. E é justamente nesse momento que se cria o vínculo entre o bicho e o ser humano.

Essa é mais uma prova do quanto os animais sentem amor e também sofrem, concordam?

Traduzido e adaptado por: Eu amo os animais

Fonte: upsocl

Eles fecham as portas de um parque aquático, mas deixam um golfinho abandonado em uma piscina

Em janeiro deste ano, o Parque Aquático Inubosaki fechou suas portas. Era um parque de diversões no qual uma das principais atrações era observar os golfinhos fazendo todo tipo de truques. Ao longo dos anos, as pessoas se tornaram cada vez mais conscientes do enorme estresse que esses lindos animais sofreram para chegar lá e o público estava diminuindo cada vez mais.

O parque está localizado na cidade de Tóquio, no Japão.

Em 2009, o famoso documentário “The Cove” explicou detalhadamente o processo com o qual milhares de golfinhos caçam todos os anos em Taiji. Eles os atraem para uma caverna e, uma vez lá, escolhem o mais impressionante para treiná- los e vendê-los para um parque. O resto dos golfinhos é simplesmente forçado a perder a vida, pois eles vendem sua carne.

“Normalmente, esses golfinhos passam por treinamento pesado.Pode levar de seis meses a um ano e depois vendê-los. Eles valem muito dinheiro”.

A Mel é um golfinho fêmea, que vem de Taiji. De lá, ela foi selecionada para passar por um processo de treinamento difícil e acabou morando no parque Inobosaki com outros de sua espécie. Infelizmente, hoje ela está completamente sozinha e esquecida. O parque já não abre as suas portas ao público e os proprietários não parecem dar maior importância ao bem-estar do animal inocente.

“Sua piscina não está limpa. Ela não se move muito. Está apenas flutuando lá “.

A Mel é um golfinho-nariz-de-garrafa e, apesar de seu tamanho notório, é forçado a passar seus dias em uma piscina que não possui as medidas de limpeza necessárias para sua saúde. Alguns asseguraram que o Parque ainda tem funcionários dedicados ao cuidado dos animais que eles deixaram lá, mas vários ativistas entraram para verificar o estado em que estavam e os resultados foram muito decepcionantes.

“Mel sacode a cabeça de um lado para o outro. Tem uma espécie de tique. Este não é o comportamento normal de um golfinho. Esses são sintomas de estresse”.

Além da Mel, 26 pinguins e muitos peixes e répteis também foram deixados para trás no parque. Imagens de cortar o coração mostram os pingüins cobertos de poeira e caminhando por uma pilha escandalosa de escombros. Muitas agências de proteção animal tentaram contatar os proprietários do parque, mas não receberam nenhuma resposta.

“O fato de não responderem nossas ligações me dá a sensação de que esses animais estão em perigo. Eles têm a responsabilidade de nos dizer o que planejam fazer com o Mel e os outros animais”.

Nós levantamos nossas vozes contra o estado de angústia em que esses animais inocentes são encontrados. Mel merece ser livre do cativeiro e acompanhado por outros da sua espécie.

Vamos compartilhar e apoiar a Mel, exigindo que todos estes animais sejam movidos para um lugar onde eles podem ser sãos e salvos.

Traduzido e adaptado por: Eu amo os animais

Fonte: Zoorprendente

Cãozinho é encontrado, doente, vivendo em galinheiro.

É difícil acreditar que um cão minúsculo e abaixo do peso encontrou seu abrigo em um galinheiro e fez amizade com seus moradores.

Isto pode soar como uma história doce, mas a realidade é que o estado de saúde do cãozinho era extremamente triste e complicado. Seu corpo estava todo coberto por uma pele emaranhada e ele sofria de sarna e leishmaniose, uma doença causada por parasitas que podem ser fatais se não forem tratados de forma oportuna e adequada. 

Negligenciada a ponto de se tornar quase completamente cega, Pena teve a sorte de ser avistada pelos voluntários da organização de resgate “Save a Greek Stray”

“Ninguém sabe como ele acabou morando em um galinheiro, mas é onde ele foi encontrado. Vivendo entre as galinhas, coberto de penas (é por isso que ele se chamava Pena), cheio de pulgas e carrapatos, com o que restava de seu pêlo, formando pelotas sujas”.

“Pena sofria de leishmaniose e, como não recebera tratamento a tempo, estava quase cego pela doença. No entanto, ele se restabeleceu totalmente e até recuperou a visão” .

Livrar-se daquele casaco de pêlos que pesava 2,5 quilos foi o primeiro passo para a nova vida sem dor. Isso não apenas revelou a beleza externa do lindo cãozinho, mas também sua personalidade borbulhante. Ele é um menino tão fofo e bom.

Mas a história dele não termina aqui. Só fica melhor. Esta linda alma encontrou seu lar para sempre com uma família grega que o ama incondicionalmente. Agora que sua pele cresceu, ele se parece com um cachorro completamente novo. Verdadeiramente irreconhecível. 

E ele até mesmo visita seus amigos de abrigo de vez em quando. A transformação de Pena é realmente incrível.

Dê uma olhada no vídeo abaixo e veja a mudança, que um pouco de amor e cuidado pode fazer.

O amor é realmente a ferramenta essencial para qualquer tipo de dor e sofrimento.

Traduzido e adaptado por: Eu amo os animais

Fonte: Weloveanimals.me

Elefantes são maltratados em um Zoológico, quando as autoridades veem eles tomam atitude de imediato

As redes sociais são frequentemente criticadas por não fornecerem informações verdadeiras ou apenas por serem uma ferramenta para gostos superficiais, mas isso não é verdade, muitas vezes podem ser usadas para prestar atenção a eventos que passam despercebidos, como neste caso abaixo.

Recentemente, eles surgiram fotografias de alguns animais em um zoológico na Tailândia chamado Samut Prakan Crocodile Farm and Zoo, mostrando dois elefantes cuja aparência era miserável, corpos muito finas, dor nos olhos e pele esfolada, o que acabou causando um alvoroço entre comunidades pró-animais do país.

Mesmo com todos esses problemas de saúde apresentados pelos animais, sabia-se que os elefantes ainda eram obrigados a fazer truques para os visitantes e, apesar da insistência de grupos ativistas, os guardiões do zoológico informaram que os animais estavam bem saúde

Felizmente, devido ao ultraje público no tratamento dessas criaturas majestosas, o Departamento de Conservação tomou medidas contra o implacável zoológico, descobrindo que sua licença havia expirado em 2016.

Depois disso, ao examinar os elefantes pobres, um jornal local relatou que havia perdido vários dentes, o que os impediu de mastigar sua comida e acabou desgastando-os lentamente devido à desnutrição.

Uma vez que a revisão foi concluída, os pesquisadores ambientais forçaram o zoológico a deixar os elefantes descansarem, e também criaram um plano para que pudessem comer comidas leves e recuperar o peso natural que costumavam ter.

A comunidade está muito feliz com a resposta eficiente a essa injustiça animal, mas infelizmente este é apenas um caso de muitos, e a Tailândia tem dificuldade em ajudar seus animais devido à falta de regulamentações estabelecidas.

Por sua vez, vários países asiáticos na região têm dificuldade em detectar e reprimir ataques fauna, porque não são muitos jardins zoológicos ilegais não têm as ferramentas para dar-lhes uma boa vida e acabam se tornando-os suportar condições desumanas estes animais.

Felizmente, nem tudo é negativo, porque houve uma melhora considerável em alguns aspectos relacionados a essa questão. De acordo com estudos recentes, houve um aumento na população de elefantes de mais de 10% e este número deverá aumentar nos próximos anos.

Ainda assim, você sempre pode fazer mais para ajudar essas criaturas, porque se leis mais fortes foram implementadas e estes foram seguidos pelas diversas organizações, seria muito mais difícil para os caçadores furtivos e esses circos ilegais para abusar dos elefantes, porque que haveria consequências muito mais tangíveis.

Traduzido e adaptado por Eu Amo os Animais

Fonte: Zoorpreendente

O único cão rejeitado em um evento de adoção, recebe um lar para sempre

Diariamente vemos pela internet muitas histórias emocionantes de animais, e também muitas outras tristes que partem nossos corações. E o pior de tudo, é não sabermos o desfecho final da história.

De fato, nós seres Humano vivemos em um mundo, em que não temos o hábito de esperar que o melhor aconteça a quem mais precisa, mas isso nem sempre é o caso, e embora alguns se rendam mais facilmente, a esperança é a última que morre, e os donos desse refúgio nunca perderam a esperança.

Esta é a história de um cachorro chamado rei Zeus, que infelizmente sofreu muito ao voltar várias vezes a um refúgio. Na verdade, anteriormente esse pobre mestiço Pitbull de seis anos de idade foi adotado duas vezes e em nenhum dos casos teve sorte com suas famílias porque eles tinham outros cães.

Há alguns meses, o rei Zeus participou de um grande evento que é realizado anualmente pelo abrigo de animais da Humane Society for Hamilton County (Indiana), que consiste em um grande festival de adoção.

Nesse caso, você se lembrará de que 299 cães foram adotados e apenas um deles teve que voltar para casa, foi o desafortunado rei Zeus. Naquele tempo os trabalhadores abrigo pensei que era suas cicatrizes que o fazia parecer como um cão feroz, mas não havia outro fator que influencia também, e foi que cachorro parecia que perderam a motivação para procurar outra família.

Foram passando os dias e graças a Deus Zeus estava se recuperando de sua doença, aparentemente, esse evento foi um grande alerta, não apenas para os voluntários do abrigo que trabalharam ainda mais para animá-lo, mas para muitas pessoas no estado americano de Indiana que conheciam sua história.

VEJA O VÍDEO AQUI

O destino estava prestes a mudar para o incansável Rei Zeus, porque aquele dia cinzento se tornou uma história viral que invadiu a Internet. O olhar dele era tão comovente que rapidamente alguém muito abençoado decidiu dar a vida que ele tanto merecia.

Foi assim que o refúgio Humane Society para Hamilton County compartilhou com seus usuários que o rei Zeus tinha um lar permanente com o casal feliz, Austin Smith e Carleigh Jennifer Smith, que até criaram um perfil no Facebook para as pessoas seguirem as aventuras. do seu cachorro.

É extremamente animador saber que muitos cães obter uma feliz graça terminando a todas as pessoas que emprestam a sua voz para divulgar suas histórias, com tão simples como a partilha em nossas redes sociais gesto esses casos, podemos melhorar as suas vidas de uma forma inimaginável.

Traduzido e adaptado por Eu Amo os Animais

Fonte: Zoorpreendente

Eles estavam procurando por um gato perdido, mas acabaram encontrando centenas

No início deste mês, na China, um grupo de defensores dos animais estava em uma missão para procurar um gato perdido, o que acabou levando-os a um prédio abandonado, onde encontraram notícias terríveis, já que havia uma grande quantidade de animais perdidos gatos em cativeiro.

As pessoas que mantinham os gatos trancados não queriam permitir o acesso ao grupo de defensores dos animais. No entanto, apesar de tentar evitá-lo, eles conseguiram entrar. Depois de entrar, descobriram que tudo estava muito escuro, então acenderam as lanternas para descobrir que o lugar estava cheio de gaiolas onde centenas de gatos estavam trancados.

Ao ver as novas pessoas, os gatos começaram a miar muito alto, como se gritassem por socorro e não importava o quanto estivessem desesperados, ninguém conseguia se mexer, porque cada gaiola estava cheia.

No momento em que viram isso, os defensores começaram a verificar cada uma das gaiolas, observando que muitos dos gatos ainda usavam seus colares de identificação. Além disso, muito poucas gaiolas tinham comida, muito menos água.

Este lugar acabou por ser um matadouro , então o primeiro passo dado pelos defensores dos animais da organização Animal Protection Power (CAPP) foi para denunciar o local e as pessoas que estavam nele, na esperança de libertar os gatos, logo que possível e ajudá-los a continuar vivendo.

Foi chocante as condições em que foram os gatos das primeiras gaiolas, pois a maioria deles estava doente, isto devido à desidratação e desnutrição causadas no recinto.

Graças ao importante apoio da polícia local, os defensores conseguiram libertar os 375 gatos que estavam trancados , colocando-os a salvo do perigo em que se encontravam. Infelizmente, a China oferece proteções legais mínimas para os animais e, por esse motivo, é muito comum ficar com esses lugares em todo o país .

Segundo as informações coletadas, aproximadamente 4 milhões de gatos vivem essa situação na China, mas graças à ajuda do grupo de defensores, muitos foram resgatados nos últimos anos.

Embora em um grande número de lugares na China o consumo de carne de cachorro e gato não seja permitido, como muitas pessoas não concordam com essa prática, em províncias como Yulin, eles realizam anualmente festivais de carne de cachorro, o que é realmente doloroso. .

Isso não faz mais do que promover esse tipo de negócio nas pessoas, que continuam a enviar seus trabalhadores constantemente para as ruas, para caçar as criaturas indefesas que se escondem despreocupadas.

Porque muitos dos gatos resgatados foram encontrados doente e em condições difíceis, devido a estar em cativeiro em jaulas com pouco espaço, agora eles entram em um processo de reabilitação para recuperar totalmente sua saúde .

Enquanto isso, os trabalhadores da Animal Protection Power começaram a procurar por casas onde esses gatos recebam o amor e a dedicação que eles merecem.

Traduzido e adaptado por Eu Amo os Animais

Fonte: Zoorpreendente

Um cachorrinho beija e uiva de alegria quando um bombeiro o resgata sob uma pilha de pedras

Todo filhote de cachorro tem uma energia incrível, que não há nada igual. Quando os filhotes têm menos de 2 anos, aprendem a andar e estão ansiosos para explorar tudo o que está ao seu alcance e fazer milhares de travessuras. Infelizmente, em sua ânsia de conhecer todos os cantos, um cachorrinho fofo acabou encrencado quando ficou preso sob uma pilha de pedras.

O filhote foi encontrado na cidade de Charleston, Carolina do Sul, Estados Unidos.

O Corpo de Bombeiros recebeu um telefonema pedindo ajuda para resgatar um filhote fofo.

Havia duas pessoas que passavam por alí e elas ouviram um gemido estranho e quando eles vieram ver o que era, descobriram que era um pobre filhote pedindo ajuda. Ninguém imagina como o filhote chegou a tal posição que poderia lhe trazer tanto perigo, mas a verdade é que o tempo era vital para salvar sua vida.

O pequeno cabelo foi ouvido por um grupo de ciclistas que passavam pela área.

O Capitão Bryant do Corpo de Bombeiros local foi para a área e decidiu ir trabalhar. Ele moveu as maiores pedras que foram atravessadas na estrada e então ficou de joelhos para ver o filhote de uma pequena rachadura.

Em várias ocasiões, o vídeo mostra como o filhote cutuca o nariz e parece muito inquieto e assustado.

“É muito pequeno. Eu me pergunto como ele chegou a essa lacuna “.

O bombeiro consegue abrir espaço suficiente para que suas mãos entrem e alcancem o filhote, mas o pequenino está tão assustado que se mostra um pouco indescritível e não consegue parar de se mexer. O capitão Bryant toma delicadamente com as mãos e tenta tirá-lo de lá. Depois de várias tentativas, o filhote finalmente se inclina com as patas dianteiras para ajudar no resgate e sai muito feliz.

“Tenho a impressão de que ele não tem nenhum ferimento.”

Uma vez que ele conseguiu resgatá-lo, o bombeiro leva-o em seus braços para se certificar de que o filhote travesso não será preso novamente pelas rochas que permanecem na área.

“Olá amigo. Como você está? Não volte lá. “

O lindo filhotinho branco e marrom corre muito feliz e se move para todo lugar e beija repetidas vezes seu resgate para mostrar a ele como está feliz em ser salvo em sua vida. Apesar de permanecer por vários minutos sob o peso das rochas, o pequeno parece não ter fratura, mas muita energia para conquistar toda a equipe de bombeiros.

O vídeo já foi visto mais de 80 mil vezes em todo o mundo

Nós celebramos este maravilhoso resgate com o qual eles conseguiram salvar a vida de um filhote tão amoroso e feliz.

Traduzido e adaptado por Eu amo os Animais

Fonte: Zoorpreendente

Cadela é abandonada em caixa fechada com parafuso em estrada de Jundiaí

Uma cachorrinha foi encontrada dentro de uma caixa de madeira fechada com pregos, na manhã desta última segunda-feira (1º), em Jundiaí (SP) na entrada da Boiada.

Simone Regina dos Santos foi quem resgatou a cadela, e segundo ela, uma pessoa passou por alí e a chamou após perceber que havia um animal dentro da caixa.

“Tudo! O ser humando é capaz de tudo! Eu fico sem chão, porque você pode pedir por ajuda, mas prefere abandonar e colocar o animalzinho em perigo para ele não sair“, conta.

Simone acredita que a cachorrinha tenha cerca de 7 meses e é de porte grande. Segundo a ativista, onde ela foi encontrada é um local conhecido por ser destino de onde muitas pessoas abandonam animais, mas que nunca nenhum foi encontrado com tanta crueldade dessa forma.

Algumas testemunhas disseram que não viram nenhum sinal do animal nem da caixa no dia anterior domingo (310, devido a isso Simone acredita que a cadelinha tenha sido abandonada pela madrugada.

“Eu gostaria muito que ela apartir de hoje só ganhasse amor por alguém que a adotasse. Me sinto muito abalada com essas situações, mas tenho que ter muita força pra ajudar”, lamenta.

Sobre ferimentos o animal tinha uma ferida no pescoço, mas terá seus devidos cuidados. O Departamento do Bem-Estar Animal foi acionado pela protetora e a cadela está sob cuidados do departamento.

Se você quiser ajudar, você pode doar alguma ajuda, as doações podem ser feitas a um pet shop do Jardim Santa Gertrudes em Jundiaí. Interessados em adotar a cadela também podem entrar em contato com a ativista pelo telefone (11) 97484-8253.

Abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais tanto silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos de acordo com o artigo 32 da Lei 9605/98, de Crimes Ambientais, a pena é de três a um ano, e também multa. Você pode denunciar basta ligar 156.

Traduzido e adaptado por Eu amo os Animais

Fonte: G1 Globo